Elda Pacheco alia conscientização ambiental e sustentabilidade em seus trabalhos como artesã, em Campos dos Goytacazes

Artesã Elda Pacheco
Elda Pacheco / Foto divulgação

A profissional é uma das parceiras do projeto Chefs na Feira. Confira a sua trajetória

Ao ser convidada para confeccionar os aventais que serão utilizados pela equipe do projeto Chefs na Feira, durante as intervenções que serão realizadas no Circuito Carioca de Feiras Orgânicas, Elda Pacheco expandiu o seu olhar sobre sustentabilidade e conexão com a natureza. O compromisso com um trabalho que fortalecesse a conscientização ambiental trouxe novas perspectivas pessoais e profissionais para a artesã.

Na verdade, a trajetória de Elda já se envereda naturalmente por um viés de uma relação de respeito com o meio ambiente. É automática essa postura, porque ela foi incutida ainda pela família. A vivência, portanto, trazida pela profissional, faz toda diferença na entrega de um produto personalizado, de qualidade e sensibilidade, o que destoa do contexto do ritmo intenso vivido nas áreas urbanas.

“Na minha casa tem galinha no quintal, pé de mexerica, pé de louro. Eu moro bem no centro da cidade de Campos dos Goytacazes, mas minhas árvores são frutíferas. Na entrada do portão, eu tenho um pé de carambola, para quando as pessoas chegarem estressadas, sentarem, comerem e se acalmarem.” Afirma Elda.

Elda Pacheco nasceu em uma família de oito irmãos, sua mãe, uma costureira nata, de Campos, bordava em tecidos de richelieu. Na infância, em vez de brincar com as crianças, preferia se refugiar no bordado. Dessa forma, seu primeiro contato foi com o crochê, na casa da avó. Em paralelo, enquanto ela desenvolvia suas aptidões nos tecidos, vivenciava uma vida típica de interior.

“Eu sempre vivi uma vida em contato com a produção orgânica, na casa da minha avó tínhamos plantações, hortaliças. Nossa comida era preparada com os alimentos e temperos do quintal. Então nós vivíamos uma vida saudável sem percebermos, por ser uma rotina, de praxe. Eu, por exemplo, não me lembro de ver a minha avó comprar um pacote de molho de tomate. Nós aprendemos a ter esse contato com a natureza através dela. Minha avó viveu 99 anos e bem, devido aos seus hábitos saudáveis.” Conta a artesã.

Ainda de acordo com Elda, essa herança deixada por sua avó traz como consequência uma vida com uma rotina mais equilibrada. A artesã costuma acordar cedo, se alimentar de maneira saudável, evitando o consumo de alimentos industrializados. Segundo ela, sua avó também lhe ensinou que o bordado deve ser feito até às 16h, pois com o cair do sol é preciso encerrar as atividades para não prejudicar a visão. Assim, com esses ensinamentos, ela segue em seu caminho pelo artesanato.

Dentro de casa, todos os seus irmãos sabem utilizar esta arte, no entanto, quem enveredou para o lado profissional foi somente Elda. Hoje, aos 51 anos de idade, ela dá aulas de patchwork no SESC e na loja Caçula, de Campos. Foi com base na sua experiência com esta técnica de trabalho, que Elda desenvolveu os aventais que serão utilizados durante todas as atividades do projeto Chefs na Feira.

Avental de juta

Com o uso do patchwork, Elda desenvolve produtos com materiais que possuam 100% de algodão. Ela também aplica técnicas aprendidas em sua caminhada pelo Paraná, na Região Sul, e pela vizinha Minas Gerais, na Região Sudeste, como o uso do tingimento de tecidos com café, chás e outros produtos naturais.

“A gente precisa ter mais consciência do uso de produtos naturais e do uso da reciclagem. É preciso um contato mais direto com o termo “botar a mão na massa”. Quando estou dando aula de bordado no SESC, eu peço para as pessoas desenharem, por exemplo, em vez de imprimir seus modelos, já disponíveis na Internet. Dessa forma, eu estimulo um contato mais vivo, a criatividade, saindo da zona de conforto. Essa venda de praticidade feita pela publicidade, às vezes, nos prejudica. A praticidade de um tempero em pó industrializado vendido nas propagandas de televisão, por exemplo, resultou em um problema renal para a minha irmã. Consciência é legal e é importante retornar às nossas origens”. Afirma a artesã.

Mais informações

Instagram: https://www.instagram.com/entrenospatchwork/

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: